by /0 comments

98% dos alunos com diploma internacional

Uma nova demanda tem se intensificado entre as famílias brasileiras de classe média: a vontade de cursar o ensino superior fora do país. Na capital paulista, é possível ter um ensino médio que não só qualifica o aluno para entrar em boas universidades brasileiras, como também dá a chance de ele ter um diploma válido que lhe abrirá as portas para as principais universidades do mundo, através do Diploma da Organização do Bacharelado Internacional – IBO. No último ano, 98% dos alunos da Escola Suiço Brasileira de São Paulo foram aprovados no exame para a obtenção do diploma internacional, contrariando a média mundial de 80% no índice de aprovação.

O IB foi criado em 1968, em Genebra, após um grupo de educadores perceber a necessidade de uma preparação pré-universitária comum para alunos espalhados pelo mundo. Foi-se então criado o programa, que hoje é aplicado em escolas no mundo todo.
No Brasil, o Coordenador do IB da Escola Suíço Brasileira de São Paulo – Saulo Vianna – é um dos responsáveis por autorizar ou não escolas a desenvolverem o programa. Em São Paulo, sete escolas estão autorizadas a oferecer o programa do diploma internacional.
O que muda no currículo das escolas de EM?
No caso da Escola Suiço, o Ensino Médio passa a ser de quatro anos , e o programa ocorre nos dois últimos anos. O diploma é simbolizado por um hexágono, e em cada uma das pontas, determinadas matérias são contempladas.
No grupo 1, os alunos trabalham a língua materna; no grupo 2, uma segunda língua; no grupo 3, as matérias de humanas; no grupo 4, ciências; no grupo 5, as matemáticas; e no grupo 6, as Artes ou matérias optativas. “O aluno é obrigado a cursar uma matéria de cada grupo”, explica Saulo. Segundo ele, tem área que oferece três cursos. Na disciplina de matemática, o aluno escolhe entre matemática avançada, a padrão e outra com curso mais simplificado. O número de exigência é padrão no mundo todo, e com isso o IB conseguiu manter um nível acadêmico de excelência.
No centro do hexágono, o programa exige que o aluno faça mais três cursos: um, é sobre a Teoria do Conhecimento, onde o aluno irá refletir sobre a natureza do conhecimento examinando criticamente as diferentes formas de saber – percepção, emoção, linguagem e razão. Este curso consiste em aulas e debates.
O segundo é o curso de Monografia. Um trabalho de pesquisa em qualquer área do conhecimento, com apoio de um supervisor/orientador, durante os dois anos do programa. E o terceiro, é chamado de Criatividade, Ação e Serviço – mais conhecido pela CAS – que não é um curso acadêmico, e exige do aluno ações sociais, esportivas e artísticas.
A missão do IB é formar o aluno que tenha consciência global para tornar o mundo melhor. A Escola deve se esforçar para garantir 10 atributos fundamentais. Que o aluno seja inquiridor; informado; pensador; comunicador; íntegro; com mente aberta; generoso; arrojado; equilibrado e reflexivo.
No fim do ensino médio, os alunos têm os exames IB. Os professores da escola não tem acesso aos exames, que são iguais no mundo todo. “No Diploma, o IB trabalha com três línguas oficiais – inglês, espanhol e francês. Na Escola Suíço, os alunos fazem o exame em inglês”, conta o coordenador.
Saulo explica que o IB tem duas sessões de exames no ano. Uma em maio e outra em novembro. “A Escola Suíço aplica seu exame em novembro, e caso um aluno não seja aprovado, ele tem mais duas chances para tentar. Enquanto tenta, pode cursar as disciplinas do IB na escola e marcar plantão de dúvidas com os professores, mesmo tendo terminado o curso”, diz.
Vianna conta que recebe representantes de universidades do mundo todo, e que alguns alunos começam o processo de aplicação na universidade pretendida, antes de terminar o ensino médio. “Muitos já têm vaga garantida na universidade. O IB é uma credencial”, afirma o coordenador. Segundo ele, algumas universidades americanas oferecem um sistema diferente de outros países: elas oferecem créditos pelas matérias cursadas no IB. Se o aluno é aceito, dependendo das disciplinas que ele fez no IB, da nota obtida e do curso pretendido, ele chega a pular o primeiro ano de faculdade.
Formação do professor IB
O IB organiza workshops anuais no Brasil em inglês, trazendo especialistas treinados em cada uma das disciplinas. Todos os educadores da Escola Suiço Brasileira de São Paulo participam do workshop, apesar de o IB exigir o treinamento de pelo menos um educador de cada área.взлом wi-fimiomare-yachting.comthat pay

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone