by /0 comments

Adesão ao Fies cresce, mas está longe da meta do MEC

Jornal paranaense Gazeta do Povo revela que em 2009 foram feitos 32 mil financiamentos, número que subiu para 149 mil no ano passado. Crédito disponível era suficiente para 400 mil contratos

As alterações no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) provocaram um grande aumento no número de contratos, mas ainda estão longe da meta anunciada pelo Ministério da Educação.

Uma reportagem do jornal paranaense Gazeta do Povo revela que em 2009 foram feitos 32 mil financiamentos, número que subiu para 75,8 mil em 2010 e para 149 mil no ano passado. O MEC informa que o crédito disponível era suficiente para 400 mil contratos nos últimos dois anos.

Entre as mudanças para atrair adesões criadas em 2011, estão o fim do fiador e a possibilidade de os professores da rede pública de educação básica abaterem e quitarem o financiamento com o trabalho. Além disso, em 2010, a taxa de juros baixou de 6,5% para 3,4% ao ano, com a ampliação do prazo de quitação do empréstimo.

Outro fator apontado pelo jornal pela baixa adesão é o atraso no repasse dos recursos para as instituições de ensino. Segundo a Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), só no segundo semestre do ano passado o total no atraso chegou a mais de R$ 500 milhões.

Segundo o jornal, a entidade critica o fato de que os valores são repassados em títulos da dívida pública, que precisam ser utilizados especificamente no pagamento de tributos ou revendidos à União. O número de mantenedoras vinculadas ao Fies diminuiu nos últimos anos: em 2005, eram 1.133, enquanto atualmente 989 instituições participam do programa.

“O Fies vem cobrir uma lacuna, ao auxiliar as pessoas que não têm a menor condição de disputar uma vaga numa universidade pública e teriam dificuldade em pagar a particular. Mas esperamos que o MEC cumpra com a promessa de atualizar os repasses e evitar atrasos. Sabemos que não falta dinheiro, e sim que é um problema de gestão”, disse a presidente da Fenep, Amábile Pacios, ao repórter Rafael Waltrick.

O jornal cita o caso da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), onde dos 25 mil alunos de graduação, apenas 2,3 mil pagam o curso por meio do financiamento. “O grande problema é a informação, que não chega ao aluno com facilidade e quando chega não é detalhada. Eu mesmo já fiz palestras em escolas onde os estudantes nem sequer sabiam que o Fies existia”, disse ao jornal o diretor de planejamento e gestão financeira da instituição, Marcelo Cichacz.

укладки видеонастольные игры купитьгде взять справку