by /0 comments

Agricultura familiar fornece metade da merenda escolar

Organização das Cooperativas Brasileiras diz ao jornal Valor que apesar do avanço ainda existem dificuldades para o produtor na hora da venda

O programa que determina a compra de 30% de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar já chegou à metade dos municípios brasileiros no ano passado, noticia o jornal Valor.

O gerente de mercados da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Gregory Honczar, disse ao repórter Tarso Veloso que apesar do avanço ainda existem dificuldades para o produtor na hora da venda. “A prefeitura não vai atrás das informações e não sabe o que tem para comprar. Com isso, o produtor precisa ir até a prefeitura para avisar qual produto ele tem disponível”, afirmou.

O secretário de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Laudemir Müller, garante que o governo está trabalhando para que todos sejam atendidos. “Estamos levando a oferta de cada região para os gestores regionais. Vamos tornar mais intensivo esse sistema de quem prepara a comida e de quem produz o alimento”, afirmou.

O diretor de geração de renda e agregação de valor do MDA, Arnoldo de Campos, acha que sistema de compra de produtos é simples. O ministério repassa a verba para o Estado, município ou escola, que prepara um cardápio com a ajuda de nutricionistas. Em seguida, é realizada uma chamada pública para comprar os alimentos. As compras devem ocorrer, preferencialmente, de produtores da região.

Segundo o jornal, 70% das propriedades rurais se encaixarem no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e podem vender para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia do Ministério da Educação.

Os dados de repasses em 2010 ainda não foram computados, mas o MDA estima que 70% dos municípios brasileiros que cumprem o mínimo de 30% estipulado em lei gastam menos de R$ 100 mil por ano.

O orçamento total do FNDE é de quase R$ 3 bilhões por ano. A fatia de 30% que deve ser direcionada para a agricultura familiar pode chegar, portanto, a R$ 1 bilhão. “Já sabemos que mais da metade das cidades estão comprando, mas precisamos ver o porte das cidades, pois o valor pago varia de acordo com a quantidade de estudantes das cidades”, afirma Campos.

A expectativa do governo é que quando 100% dos municípios estiverem comprando produtos dos agricultores familiares, cerca de 150 mil famílias, em um universo de 4,3 milhões, estarão fornecendo produtos

класс лобановскийОпределение качества внешних ссылок: алгоритмысауна отделка