by /0 comments

Assentamento de reforma agrária terá campus de universidade federal

As obras do novo campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), em Laranjeiras do Sul (PR), começaram nesta segunda-feira
O assentamento de reforma agrária Oito de Junho, em Laranjeiras do Sul (PR), onde vivem atualmente 71 famílias, será o primeiro do Brasil a sediar uma universidade federal. De acordo com informações do Ministério de Desenvolvimento Agrário, as obras do novo campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) começaram nesta segunda-feira, dia 2 de maio.

O início das aulas para os 500 estudantes está programado para 2012 em cinco áreas voltadas à vocação econômica da região: Agronomia com ênfase em Agroecologia, Desenvolvimento Rural e Gestão Agroindustrial, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Aquicultura e Licenciatura em Educação do Campo.
Segundo a UFFS, serão contratados 42 professores, 33 técnico-admnistrativos, sendo 17 terceirizados

O campus terá uma área total de 87 hectares – 42 hectares cedidos pelo Incra para implantação do primeiro prédio, de 5 mil metros quadrado, e os outros 45 hectares doados em 2010 pelas prefeituras de Porto Barreiro, Rio Bonito do Iguaçu, Nova Laranjeiras e Laranjeiras do Sul.


O diretor do campus, Paulo Mayer, informou que somente o projeto de urbanização utiliza cerca de 40 hectares de área. Além disso, o curso de Engenharia de Aquicultura necessita de tanques para a criação de peixes, com uso de seis a sete hectares; 20% do espaço precisa ser utilizado para reserva legal; há a necessidade de áreas de experimentação agrícola (bovinocultura, caprinocultura, ovinocultura, criação de aves e suínos) e a instituição precisa estar preparada para futuras expansões.

A principal atividade produtiva do assentamento Oito de Junho é a criação de gado leiteiro. O leite é levado até São Miguel do Oeste (SC) para ser processado pela Cooperoeste Terra Viva, cooperativa formada por assentados da reforma agrária. Depois de embalado em caixas longa vida, segue para redes de varejo do Paraná e de Santa Catarina.

Uma das responsáveis pela produção de leite é Desieli Gomes de Amorin, de 27 anos, filha de assentados, e técnica em Agroecologia formada pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) e atualmente cursando Engenharia de Aquicultura na UFFS. Com a UFFS no assentamento, Desieli espera manter os jovens trabalhando na região. “O jovem quer mais oportunidades de estudo e de trabalho. Com a instalação da universidade, a juventude permanece no assentamento, aumentando a geração de renda dentro do próprio município”, disse ela ao site da universidade.

O novo campus da UFFS é localizado no chamado Território da Cidadania do Cantuquiriguaçu, onde a produção primária é responsável por 33% do total, de acordo com dados do Instituto Emater do Paraná. Além disso, 50,8% da população economicamente ativa é de agricultores familiares e assentados da reforma agrária. Ao todo, vivem 4,2 mil famílias assentadas no Território, que abrange uma área de 13.986,40 quilômetros quadrados, é composto por 20 municípios e possui os três maiores projetos de assentamento do Incra no Paraná.взломанная анжела скачать на андроидникас харьковигры для 7 лет