by /0 comments

Avaliação aprova 63% dos cursos superiores

Segundo o Índice Geral de Cursos, 27% dos cursos não alcançaram desempenho suficiente e tiveram notas 1 e 2
A avaliação anual dos cursos e das instituições de ensino superior brasileiras referente a 2011 aprovou 63% dos 8.665 cursos de 1.387 universidades, faculdades e centros universitários. Segundo o Índice Geral de Cursos (IGC), 27% dos cursos não alcançaram desempenho suficiente e tiveram notas 1 e 2.

Foram avaliados cursos das áreas de ciências exatas, licenciaturas, tecnológicos de controle e processos industriais, informação e comunicação, infraestrutura e produção industrial.

Cada área do conhecimento é avaliada pelo IGC de três em três anos.

Na avaliação anterior dessas áreas, em 2008, 28,4% das 2.128 instituições avaliadas tiveram notas 1 e 2 e 1% das instituições atingiu nota máxima, 5. Em 2011, esse índice subiu para 1,3%

O Ministério da Educação prometeu rigor na punição às instituições que se mantiveram em índices considerados insuficientes, com notas 1 e 2. As informações das universidades que não atingiram padrões mínimos serão divulgadas na próxima semana.

“Uma instituição que era 1 e continua 1 é inaceitável. Ponto. No ciclo de três anos, quem está estagnado analisaremos com muito rigor. Tomaremos medidas complementares, elas não só deixarão de ter acesso ao Prouni e ao Fies”, disse o ministro Aloizio Mercadante.

O IGC é um índice que avalia cursos de graduação e pós-graduação (mestrados e doutorados) utilizando média ponderada do Conceito Preliminar de Curso (CPC), na graduação, e da Nota Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), na pós-graduação.

Além do IGC, também foi divulgado o Conceito Preliminar de Curso (CPC), que avalia exclusivamente cursos de graduação. O índice considerou 4.403 universidades – sendo 2.642 públicas e 1.761 privadas – além de 2.245 faculdades e 928 centros universitários. Atualmente, 53,9% das matrículas do ensino superior estão nas universidades, 30,9% nas faculdades e 13,7% nos centros universitários.

O CPC avalia o rendimento dos alunos, infraestrutura e corpo docente. A nota considera, por meio do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), o desempenho dos estudantes, representando 55% do total, enquanto a infraestrutura representa 15% e o corpo docente, 30%. Na nota dos docentes, a quantidade de mestres pesa 15% do total, já a dedicação integral e doutores representam 7,5% cada.

Para o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, houve uma melhora generalizada no ensino superior nos últimos três anos.арабский макияжЛобановскийстоимость циклевка паркета