by

Avaliação revela estagnação na alfabetização de Português e Matemática

Mais da metade dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental das escolas públicas brasileiras apresenta nível insuficiente de leitura e de matemática para a idade, mostram os dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), divulgados hoje. Já em relação à escrita, 33,95% apresentaram proficiência insuficiente

 

Confira os resultados da Avaliação

De acordo com a ANA, 54,73% dos alunos tinham nível de leitura insuficiente em 2016 e 45,27% tinham nível suficiente. Em 2014, o percentual de estudantes avaliados com nível insuficiente era um pouco maior: 56,17%.

As regiões Norte e Nordeste foram as que obtiveram os piores resultados de leitura, com 70,21% e 69,15% dos estudantes apresentando nível de insuficiência. Esses percentuais caem para 51,22% no Centro-Oeste; 44,92% no Sul; e 43,69% no Sudeste.

Sergipe é o estado com os piores resultados: 45,28% estão no pior nível (elementar) e apenas 3% atingiram o nível adequado. Minas Gerais apresentou os melhores resultados: 23,29% estão no melhor nível de leitura e 9,58% estão no nível elementar.

Escrita

No caso da escrita, 33,95% dos estudantes apresentaram proficiência insuficiente e 66,15% tiveram níveis adequados. As regiões Norte e Nordeste também apresentaram os menores resultados – 53,01% e 50,83%.

Entre os piores estados, Sergipe aparece na frente (31% estão no pior nível), Amapá (31%) e Alagoas (30%). Entre os melhores estão Santa Catarina (13% no melhor nível), São Paulo e Distrito Federal(12%).

O Inep informa que nos testes de escrita, houve mudanças metodológicas entre as edições de 2014 e 2016, o que impossibilita a comparabilidade dos dados.

Matemática

Com relação aos conhecimentos em matemática, 54,46% apresentaram desempenho abaixo do adequado, enquanto 45,53% com nível suficiente. Em 2014, 57,07% dos estudantes tiveram seus conhecimentos matemáticos classificados como insuficientes; e 42,93% como suficientes.

Norte e Nordeste registraram 70,64% e 69,46% dos estudantes com conhecimentos em matemática insuficientes. Entre os estados, o pior é Sergipe (46,3% tem o nível mais baixo), seguido de Amapá (45,9%) e Alagoas 43,5). Os melhores são Santa Catarina e Minas Gerais, ambos com 40% dos alunos no melhor nível.

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, classificou como “sofrível” os resultados da avaliação. A ministra interina, Maria Helena Guimarães, disse que “não houve evolução nem melhoria significativa” entre 2014 e 2016.

Ao divulgados os dados, o Ministério da Educação anunciou a criação do programa Mais Alfabetização, que deve atender, a partir de 2018, 4,6 milhões de alunos com a presença de assistentes de alfabetização, que trabalharão em conjunto com os professores em sala de aula. A expectativa é contar com 200 mil turmas em todos os municípios brasileiros, entre os 1º e o 2º anos do ensino fundamental.

A ANA foi feita entre os dias 14 e 25 de novembro do ano passado em escolas públicas com pelo menos 10 estudantes matriculados no 3° ano do ensino fundamental em 2016. Foram mais de 2 milhões de estudantes de aproximadamente 105 mil turmas em 48 mil escolas. Quase 90% dos estudantes avaliados tinham 8 anos ou mais.

Leia também:

Alfabetização no Brasil é insuficiente

Avaliação da Alfabetização reproduz as desigualdades regionais

MEC cria avaliação para medir a alfabetização

 

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone