by /0 comments

Brasil é bronze na Olimpíada Internacional de Física

Cinco alunos representaram o Brasil na competição realizada no Irã e disputaram contra 329 estudantes de 69 países

O Brasil ganhou medalha de bronze na Olimpíada Internacional de Física, realizado no Irã, entre os dias 13 e 22 de julho. O premiado foi o pernambucano Thomas Ferreira de Lima, da Escola de Aplicação do Recife, ligada à Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Além de Thomas, fizeram parte da equipe Nilo Daniel Moura Moreira, Samuel Carvalho Holanda, José Olegário de Oliveira Neto e Diego Andrade Lima, todos do Colégio Farias Brito, de Fortaleza. Eles disputaram as provas de Física com 329 estudantes de 69 países.

Thomas voltou dão Irã com a convicção de que o Brasil ainda precisa melhor seu ensino de Física e a educação em geral. “O ensino médio da maioria dos países que participaram da competição equivale aos três primeiros semestres do ensino superior do Brasil”, diz ele, que pretende seguir a carreira de Engenharia da Computação. “Por isso, a Olimpíada é mais difícil para nós, pois as provas acompanham o nível de lá.”

Diego, que também pretende ser engenheiro de computação foi outro que voltou impressionado com o nível de ensino dos estudantes dos outros países. “Principalmente dos asiáticos”, diz. “Os alunos de Cingapura, China e Japão são muito bem preparados. A China, por exemplo, conquistou quatro medalhas de ouro e uma de prata. Não conseguimos competir com eles.”

Para Samuel, que já foi premiado também nas olimpíadas brasileiras de química e matemática e ainda não sabe se será engenheiro aeronáutico ou eletrônico, isso ocorre porque no Brasil não há um direcionamento dos alunos para olimpíadas do conhecimento, como a de Física. “Falta incentivo do governo”, critica. “De qualquer forma, participar da competição no Irã foi uma experiência única. Conhecemos uma cultura diferente e fizemos novos amigos.”

Para Euclydes Marega Junior, professor do no Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador da Olimpíada Brasileira de Física (OBF) no Estado de São Paulo, que acompanhou a equipe ao Irã, o desempenho dos brasileiros foi bom. “Melhoramos em relação ao ano passado”, diz. “Dos países da América Latina que participaram do evento (Colômbia, Cuba e México) fomos o melhor.”

лобановский александрtranslate word document to englishкупить сварочные полуавтоматы