by /0 comments

Brasil investe 4,7% do PIB em educação

Conferência Nacional de Educação, que deve traçar as diretrizes para o próximo Plano Nacional de Educação, irá propor um investimento de 10%
O Brasil investiu em educação 4,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2008, um ligeiro crescimento de 0,2% em comparação com o ano anterior. Em valores, significa R$ 140 bilhões, informa estudo do Ministério da Educação divulgado nesta terça-feira pela Agência Brasil.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, defende 6% e prometeu chegar até o fim do governo em 5% do PIB.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) defende que o Brasil aplique 8% do PIB em educação. A Conferência Nacional de Educação (Conae), que ocorrerá em abril e deve traçar as diretrizes para o próximo Plano Nacional de Educação, irá propor um investimento de 10% da riqueza produzida no Brasil em educação.

“O déficit educacional brasileiro é muito grave para que se invista um percentual tão pequeno como 6%. A defesa que o ministro faz não garante um patamar mínimo de qualidade como preconiza a LDB [Lei de Diretrizes e Bases] e a Constituição Federal, é um valor insuficiente”, criticou o presidente da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, que é membro da comissão organizadora da conferência.

A agência de notícias do governo federal destaca que a Conae também pretende sugerir a implantação do chamado o custo-qualidade aluno inicial(CAQi). A ideia já está em análise no Conselho Nacional de Educação (CNE). “Nesse caso o patamar mínimo de investimento será de 8% só para a educação básica [da creche ao ensino médio]. Para a perspectiva de expansão do ensino superior, 2% seriam razoáveis, com isso a gente fecharia em 10%”, calculou Daniel Cara.

Segundo o estudo do MEC, um aluno da educação básica custa ao Brasil R$ 2.632 anuais. O maior investimento está nas séries finais do ensino fundamental (6° ao 9° ano), com R$ 2.946.

De acordo com a série histórica divulgada, de 2000 para 2008 o valor investido por aluno na educação básica passou de R$ 808 para R$ 2.632. Apesar do aumento, é equivalente aos valores mensais cobrados por escolas particulares das grandes cidades.

No ensino superior, o valor investido por aluno foi de R$ 14.763. Apesar de ainda ser grande a diferença, essa relação vem diminuindo. Em 2000, por exemplo, o investimento em um aluno do ensino superior era 11 vezes maior do que na educação básica. A meta do MEC é reduzir para quatro essa proporção, o que é recomendado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).ноутбуки виндовсплан развития продажигра для девоче