by /0 comments

Ceará e São Paulo fazem planos de carreira para professores

Medida beneficia profissionais das escolas técnicas e faculdades de tecnologia paulistas e das três universidades cearenses

Uma das mais antigas reivindicações dos professores começa a virar realidade nos estados do Ceará e São Paulo: o plano de carreira. Embora não atinjam ainda os docentes da rede estadual da educação básica, os planos demonstram a importância da valorização do profissional da educação.

Em São Paulo, o governador José Serra (PSDB) sancionou na terça-feira, dia 13, o projeto de lei que cria o plano de carreira para os professores e funcionários do Centro Paula Souza, autarquia responsável pela administração das Etecs (escolas técnicas) e Fatecs (faculdades de tecnologia).

No Ceará, o governador Cid Gomes (PSB) encaminhou à Assembléia Legislativa, também na terça-feira, um projeto de lei com o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV´s) para os professores das três universidades estaduais.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o plano de carreira paulista prevê que o piso salarial passará de R$ 6,90 para R$ 10 por hora-aula para os docentes das Etecs. Para os professores das Fatecs, a hora-aula passará de R$ 8,90 para R$ 18. Na média, os reajustes serão de 49%. Para os técnicos administrativos, os salários serão corrigidos de acordo com o tempo de serviço, variando de 10,25% a 40,6%.

O Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza (Sinteps) disse que o plano de carreira está “muito aquém do desejado”. A entidade diz que não foi chamada para discutir o projeto. “Carreira é valorização profissional, não é reajuste salarial”, diz Neusa Santana, presidente do sindicato.

No Ceará, informa o Diário do Nordeste, o projeto do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV´s) para os professores das Uece, Uva e Urca vai tramitar em regime de urgência. O líder do governo, deputado Nelson Martins (PT), garante que o projeto deve contar com o apoio unânime da Casa.

O projeto recompõe em 100%, no período de 3 anos, a remuneração dos professores universitários estaduais. A folha de pagamento mensal das universidades deve subir de R$ 6,8 milhões para R$ 15,3 milhões.

O plano será extensivo aos aposentados e pensionistas, cujas pensões tenham sido concedidas até 31 de dezembro de 2003.

лобановский политиксайт отзывовпесок для пескоструйной обработки