by

Cinema e juventude: uma questão didática

Disciplina audiovisual treina o olhar e a sensibilidade dos jovens em colégio

Com o projeto do Ministério da Educação para mudar o currículo do ensino médio em 2020, muitas escolas já  implementam uma grade curricular flexível e com currículo mais atraente. No Colégio Ítaca, na zona oeste, essa implementação começa já no fundamental II. Há cinco anos os alunos do 7º ano, por exemplo, têm Cinema na grade curricular.

O interesse da juventude pelos vídeos é um fenômeno que vem crescendo bastante nos últimos tempos. Vlogs do youtube, séries, filmes em streaming e aplicativos como o instagram fazem cada vez mais parte de seu cotidiano, e a educação precisa acompanhar este novo panorama.

A matéria, ministrada para o sétimo ano do fundamental, é continuação da disciplina de fotografia, que ocorre no ano anterior. Ambas constituem o ciclo de LA (linguagens audiovisuais).

Mas a que se propõe uma disciplina de cinema dentro de uma escola? “Ao mesmo tempo que os jovens consomem muitas imagens e vídeos, nos celulares, tablets, computadores e TVs, é necessário que eles passem a pensar criticamente sobre este conteúdo”, explica Yanaí Mendes, professora da matéria.

Apresentação de trabalho final de alunos na disciplina de cinema

Para chegar a isso, ela conta que a disciplina começa apresentando o surgimento do cinema. São exibidos filmes clássicos, de diretores como George Méliès e Charlie Chaplin, e a professora se impressiona com o grau de aceitação dos alunos. “Após uma desconfiança inicial, eles se entregam e passam a achar esses filmes tão interessantes e engraçados quanto os atuais”, conta.

Uma característica importante do curso, e que segue o perfil do colégio Ítaca, é a sua constante transformação e atualização. Ano a ano a disciplina passa por alterações na didática e no foco, de acordo com a turma que está entrando no sétimo ano. “Há anos mais críticos, outros que gostam de filmar, de aprender sobre a história… Seu perfil molda o modo como eu ministrarei a disciplina”, reflete Yanaí.

Fazer cinema não implica necessariamente em equipamentos caros e complexos. Por isso a matéria faz bastante uso das tecnologias do momento, estimulando os alunos a filmar e até editar por meio de tablets. Por este motivo, a professora pode focar ainda mais em treinar o olhar dos alunos, e fazê-los entender as características e a essência dos vídeos que vemos no dia a dia. O produto final da disciplina já foi mini documentários, vídeos para youtube, captações no ambiente da escola…

O Ítaca vem apostando muito na interdisciplinaridade entre suas matérias, e isso se reflete também na aula de cinema. Para o ano que vem, está sendo planejada uma iniciativa conjunta com as áreas de artes e ciências. “Trabalhando um assunto sob diversas perspectivas, os alunos conseguem atingir uma profundidade e uma reflexão muito maiores”,  diz a professora, que complementa: “o estudo da linguagem cinematográfica os faz crescer como indivíduos, e isso irá se refletir tanto agora como no futuro”.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone