by

CPI da Merenda termina sem políticos condenados em São Paulo

Em sessão marcada por repressão de policiais militares contra estudantes e bate-boca entre deputados estaduais, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda na Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou o relatório final por 6 votos a 1, nesta terça-feira, dia 13.

Todos os políticos citados pelos delatores na Operação Alba Branca, entre eles o presidente da Casa, Fernando Capez (PSDB), foram inocentados. Foram responsabilizando 20 pessoas pelas fraudes nos contratos da merenda escolar com a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), relatam os jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

O relatório da CPI será encaminhado ao Ministério Público Estadual, que ainda investiga a chamada máfia da Merenda. As fraudes na merenda também são apuradas no Tribunal de Justiça – que tem atribuição para investigar o deputado Capez, devido ao foro especial.

Dois ex-assessores do gabinete de Capez, Jéter Rodrigues Pereira e José Merivaldo dos Santos, foram indiciados sob suspeita de terem recebido propina. Também foi indiciado o ex-chefe de gabinete da Casa Civil Luiz Roberto dos Santos, o Moita – exonerado da secretaria um dia antes de a Alba Branca ser deflagrada. O valor total dos contratos era de R$ 11,4 milhões.

Repressão na CPI da Merenda

Estudantes são detidos pela polícia após xingarem os deputados

Estudantes são detidos pela polícia após xingarem os deputados

A repressão aos estudantes começou no início da sessão da CPI. Após os deputados serem xingados de ladrões da merenda pelos estudantes, o presidente da comissão, Marcos Zerbini (PSDB), mandou a Polícia Militar retirar do local dois estudantes.

Houve muita confusão e empurra-empurra e os policiais arrastaram os jovens. “Eram dois que estavam ofendendo [os parlamentares]. Eles estavam xingando de ladrão, de bandido. Isso não pode ser tolerado”, disse o presidente da CPI. Os dois jovens foram levados a uma delegacia de polícia próxima da Assembleia.

Na volta dos trabalhos, a deputada Márcia Lia (PT) disse que também foi agredida pelos policiais. Os deputados Delegado Olim (PP) e João Paulo Rillo (PT) trocaram acusações.

O relatório da CPI da Merenda

Único parlamentar de oposição na comissão, o deputado Alencar Santana (PT) votou contra o relatório do deputado Estavam Galvão (DEM) e apresentou um relatório alternativo no qual afirma haver indícios ainda não investigados contra Capez e http://www.cialisgeneriquefr24.com/cialis-belgique/ outros agentes públicos e políticos.

O relator escreveu no documento: “no decorrer dos trabalhos investigativos, o que podemos verificar com a reconstrução dos fatos, é a ausência de participação dos nomes políticos citados”.

O deputado Alencar Santana disse que “o relatório do deputado Estevam não cita um representante político, como se o nome deles não fosse citado aqui pelos depoentes, como se o nome deles não existisse nas delações”, disse. Ele destacou que Jeter Rodrigues Pereira, ex-assessor de Capez, se aposentou da Alesp durante as investigações.

Leia também

Presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo nega envolvimento na máfia da merenda

Fraude na merenda e no transporta escolar chega a R$ 2 bilhões em 12 anos