by /0 comments

Desorganização e falta de tempo ameaçam a Conferência Nacional de Educação

Para o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, a conferência ainda não ganhou o destaque que merece na agenda da educação

A Conferência Nacional de Educação Básica (Coneb), que será realizada entre 14 e 18 de abril de 2008, corre risco de não produzir os resultados desejados. A desorganização e o pouco tempo para preparar as conferências estaduais podem colocar em xeque a reunião nacional, informa o boletim da Campanha Nacional pelo Direito à Educação. “Dentro do MEC, tivemos sinais por parte de pessoas não-envolvidas com a organização, de que a Conferência está sendo assumida como uma pauta ‘normal’, ou seja, sem a importância política que entendemos que deveria ter”, disse Denise Carreira, integrante do movimento.

A Comissão Organizadora da Coneb foi criada através de uma portaria de 24 de abril de 2007. Mas a primeira reunião só aconteceu dois meses depois, dia 28 de junho. Na reunião do dia 28 de agosto, a ata da comissão (a última disponível no site do MEC) reconhecia o “patamar baixo de mobilização” nos estados. Segundo o MEC, 14 das 27 conferências estaduais estão marcadas para novembro. As outras devem ocorrer em dezembro. Três estados ainda não definiram as datas (Minas Gerais, Sergipe e do Distrito Federal).

Para o coordenador geral da Campanha, Daniel Cara, “o que é realmente preocupante é que a conferência Coneb não ganhou o destaque que merecia na agenda da educação. Precisamos mudar isso, especialmente nas etapas estaduais, que enfrentam sérias dificuldades para serem realizadas”, alertou.

Mato Grosso seria o primeiro Estado a realizar a conferência, mas o evento foi adiado do dia 3 de novembro para 5 de dezembro. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso (Sintrae) e membro da Comissão Organizadora da Conferência no Estado, Nara Teixeira de Souza, disse que seriam necessários pelo menos mais seis meses para preparar o encontro adequadamente. “Estamos correndo contra o relógio para conseguir fazer essa conferência em dezembro. Uma das maiores cobranças que recebemos dentro da Comissão é que primeiro deveríamos fazer discussões nos municípios, mas não há tempo para isso”, disse ao boletim da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Em Pernambuco, a data também mudou: passou de 7 e 8 de novembro para 17 a 19 de dezembro. A coordenadora de programas do Centro de Cultura Luiz Freire e membro da Comissão Organizadora de Pernambuco, Elizabete Ramos, espera que a mudança dê mais tempo, mas reconhece a dificuldade. “Em lugar nenhum do mundo se realiza uma Conferência em tão pouco tempo”, disse.

Em Sergipe, segundo Hildebrando Maia, assessor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial do Estado (Sintese), até agora só foram realizadas duas reuniões. “Estamos com medo de ficarmos de fora da etapa nacional”, disse. De acordo com ele, o secretário de educação, José Fernandes Lima, admite que há problemas.

Segundo cálculos da Campanha, as conferências estaduais devem reunir quase 18.500 pessoas. Mais de 1.300 delegados e 60 observadores devem participar da Conferência Nacional da Educação, que terá como tema “Construção do Sistema Nacional Articulado de Educação”.

Veja a página da Conferência no site do MEC

muzperekrestokАнкормедицинская справка для бассейна