by /0 comments

Enem custará R$ 372 milhões; alunos poderão ver correção

Valor é considerado um “teto estimado” e deve custear a realização de pelo menos duas edições do exame nos próximos 12 meses. O contrato não teve licitação
As duas próximas edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vão custar cerca de R$ 372 milhões, informa o Diário Oficial desta quarta-feira, dia 10. Também nesta quarta-feira, foi divulgado um acordo entre o Ministério da Educação e o Ministério Público Federal pelo qual os alunos poderão solicitar a correção da prova em 2012.

O dinheiro do Enem será repassado pelo Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), sem licitação, ao consórcio formado pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe-UNB) e a Fundação Cesgranrio.

Segundo a Agência Brasil, o valor é considerado um “teto estimado” e deve custear a realização de pelo menos duas edições do Enem nos próximos 12 meses: a próxima, marcada para os dias 22 e 23 de outubro e a do primeiro semestre de 2012, prevista para os dias 28 e 29 de abril.

Na última edição do Enem, em 2010, o Inep pagou R$ 128,5 milhões pela aplicação e correção das provas ao mesmo consórcio, também sem licitação.

O valor não inclui a impressão das provas, que será feita pela gráfica RR Donelley, a mesma que imprimiu os testes na última edição, nem a operação de logística e a distribuição, coordenada pelos Correios.

Na quarta-feira, o Inep firmou acordo com o Ministério Público Federal no Distrito Federal para que os candidatos do Enem possam ter garantido o direito de ver as provas corrigidas. A medida vale para as edições do Enem a partir de 2012.

De acordo com o termo de compromisso e ajustamento de conduta (TAC), a medida terá caráter “meramente pedagógico” e o aluno não poderá recorrer da nota. ´

Mais de 4 milhões de estudantes participam do Enem 2011 nos dias 22 e 23 de outubro.бесплатно разместить рекламу в интернетепескоструйную камеру