by /0 comments

Escola que adotar alimentação saudável terá selo de qualidade

Segundo o IBGE, 34,8% das crianças entre 5 e 9 anos está acima do peso. Já na faixa de 10 a 19 anos, 21,7% apresentam excesso de peso – em 1970, este índice era de 3,7%
O Ministério da Saúde e a Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) assinaram nesta quarta-feira, dia 4, uma parceria para promover uma alimentação mais saudável entre os alunos.

As escolas vão receber o manual Cantinas Escolares Saudáveis e quem aderir ao programa receberá um selo de qualidade. A expectativa é que pelo menos 20 mil escolas iniciem as ações nos próximos meses. O objetivo é atingir 40 mil escolas.

O principal objetivo é reduzir a obesidade das crianças e jovens. Segundo a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), do IBGE, 34,8% das crianças entre 5 e 9 anos está acima do peso. Já na faixa de 10 a 19 anos, 21,7% dos brasileiros apresentam excesso de peso – em 1970, este índice era de 3,7%.

Para a presidenta da Fenep, Amábile Pacios, é preciso também direcionar ações de reeducação alimentar para os gestores e funcionários que trabalham com as cantinas escolares. “A vertente do projeto não é punitiva nem restritiva, é educativa”, disse ao site do ministério.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha disse o selo é uma forma de os pais saberem quais escolas se preocupam com a saúde dos estudantes. “Uma parte dos hábitos alimentares é construída na família, em casa, mas uma parte desses hábitos é construída dentro da escola. Combinar essas duas ações, esses dois espaços, é decisivo para reduzirmos a obesidade e o excesso de peso entre crianças e adolescentes”, disse.

Na opinião de Amábile, “se a criança incorpora uma alimentação saudável no seu dia a dia, isso vai acompanhá-la até a fase adulta e onde ela estiver – shoppings, estádios, festas”.

Ela disse que uma alimentação ruim pode ter reflexos no aprendizado dos estudantes, devido ao cansaço, à falta de estímulo em razão de uma digestão lenta, e a uma disposição menor para participar das atividades.

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar apontou que apenas um terço dos alunos matriculados no ensino fundamental da rede privada consomem frutas e hortaliças em cinco dias ou mais na semana. Já refrigerantes e frituras fazem parte da rotina alimentar de 40% dos alunos.александр лобановскийбесплатная реклама сайтаonline win