by /0 comments

Estudo do IBGE mostra melhora na educação

Os melhores indicadores estão na educação infantil e no acesso ao ensino superior. Já a defasagem idade-série entre os adolescentes ainda é grande
A Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2012 demonstra uma melhora na educação do Brasil, na década 2001-2011, informa o IBGE. Os melhores indicadores aparecem na educação infantil e no acesso ao ensino superior, principalmente entre os negros e pardos. Já a defasagem idade-série entre os adolescentes ainda é grande.

Segundo o IBGE, a taxa de escolarização das crianças de 0 a 5 anos passou de 25,8%, em 2001, para 40,7%, em 2011. Dentre as mulheres com filhos de 0 a 3 anos de idade na creche, 71,7% estavam ocupadas. Já a escolarização de crianças de 6 a 14 anos estava em 98,2% em 2011.

Entre os adolescentes de 15 a 17 anos a taxa de escolarização chegou a 83,7% em 2011, contra 81% em 2001. No entanto, apenas 51,6% desses jovens estavam na série adequada no ano passado, resultado mais favorável ao alcançado em 2001, quando 36,9% nesta faixa etária estavam no ensino médio.

O avanço na taxa de frequência dos jovens ao ensino médio foi mais significativo para quem pertence às famílias com menores rendimentos (de 13,0%, em 2001, para 36,8%, em 2011) e entre os pretos e pardos (de 24,4% para 45,3%).

A proporção de jovens estudantes de 18 a 24 anos que cursavam o nível superior cresceu de 27,0%, em 2001, para 51,3%, em 2011. Houve uma queda na proporção dos que ainda estavam no ensino fundamental, passando de 21% em 2001 para 8,1% em 2011.

A Síntese de Indicadores Sociais (SIS) mostra ainda que os jovens estudantes pretos e pardos aumentaram a frequência no ensino superior (de 10,2%, em 2001, para 35,8%, em 2011), porém, com um percentual aquém da proporção apresentada pelos jovens brancos (de 39,6%, em 2001, para 65,7% em 2011).надувные круги для детейкупить ноутбук леново йогакристал люкс светильники официальный сайт опт