by

Greve: depois de polêmica entre professores e alunos, escolhas suspendem aulas em São Paulo

 

 

Várias escolas particulares e públicas da capital fecharam suas portas nesta sexta-feira (28) em apoio à greve geral no país convocada pelas centrais sindicais. Colégios tradicionais, como Palmares, Santa Cruz, Sion, Santo Ivo e Equipe não tiveram aula. Na zona sul, Elvira Brandão, Nova Escola e Santa Maria também não abriram.

No ensino público, mesmo com o prefeito João Doria (PSDB) prometendo cortar o ponto dos grevistas, algumas escolas municipais não funcionaram, caso da Paulo Nogueira Filho, na Casa Verde.

O mesmo ocorreu em estabelecimentos geridos pelo governo estadual, como a escola Doutor Alarico Silveira, em Campos Elíseos, que estava trancada na manhã de sexta.

Sem greve

Nas escolas particulares em que os professores não aderiram à greve, o dia de trabalho sofreu alterações.

No Dante Alighieri, onde pela manhã o movimento no portão de entrada esteve abaixo do normal, muitos alunos deveriam faltar, segundo um pai que optou por não se identificar.

O Arquidiocesano e o Bandeirantes também não aderiram à convocação de greve geral. Mas no tradicional colégio da rua Estela, a não paralisação gerou polêmica.

Os alunos do Bandeirantes se reuniram fora da escola para debater sobre a greve geral. Segundo eles, a direção da escola não deu espaço ao debate. E os professores, por medo de represália, decidiram trabalhar.

Nas redes sociais, pais de alunos da escola comemoravam a decisão da direção, que soltou uma nota dizendo que as aulas seriam dadas normalmente. Para a direção da escola, a decisão de não parar foi negociada com todos.

No Santa Cruz, que também parou, houve debates internos sobre a adesão à greve. Enquanto os professores soltaram uma carta defendendo o direito de parar, parte dos alunos do Santa divulgou outro documento rebatendo os professores.

Colégio Equipe

Os educadores do colégio Equipe, um dos primeiros a anunciar a paralisação nesta sexta-feira, fizeram aulas abertas no Largo Santa Cecília, região central de São Paulo. O objetivo dos eventos era discutir temas como reforma de previdência e educação.

Em uma delas, uma dupla de professores, com violão e um texto apresentado em forma de dueto, discutiu os prós e contras a reforma da Previdência. Para eles, uma das soluções do problema previdenciário passa pela cobrança das pessoas jurídicas que devem para o governo.

Alunos e mestres evitaram falar com a reportagem.

A aula recebeu muitos aplausos dos outros professores que estiveram no local, além de alunos e seus pais. O evento da manhã terminou com um coro de Fora Temer.

O clima no Largo Santa Cecília no final da manhã de sexta-feira era tranquilo. A sexta-feira, por causa da greve, parecia um domingo.

A forte adesão dos metroviários e motoristas de ônibus à paralisação esvaziou o centro https://www.viagrapascherfr.com/pharmacie-viagra-moins-cher/ de São Paulo.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone