by /0 comments

Laptop revoluciona aulas em Porto Alegre

Cem alunos e seus professores estão usando equipamentos de US$ 100 na Escola Luciana de Abreu

É branco e verde, pequeno e com cara de brinquedo o símbolo do novo modelo de aprendizagem experimentado pela Escola Estadual Luciana de Abreu, na Capital. É o laptop de US$ 100, que os estudantes estão usando nas aulas desde 19 de março.

Quarenta e um dias depois do início do programa, antecipado pela reportagem veiculada no dia 7 de março, Zero Hora voltou ao colégio para saber como o equipamento vem sendo usado. A verdade é que a máquina revolucionou o jeito de estudar de cerca de cem alunos de 4ª e 6ª séries e de seus professores.Já não são só as crianças que aprendem.

A construção de conhecimento ocorre em duas vias. Os mestres ajudam a orientar os projetos que cada estudante elege. Em troca, recebem auxílio com a tecnologia e partilham de novos achados. – Tudo o que eles descobrem, vêm contar para a gente – diz a professora Tânia Oliveira.

Essas múltiplas descobertas são possíveis porque cada criança escolhe o assunto sobre o qual quer pesquisar e elabora perguntas que ela mesma responderá a partir de seus estudos. Uma das principais ferramentas é o laptop pequeno e divertido, que permite acesso sem fio à Internet, diário para relatar a evolução do projeto e outros programas de software livre (que qualquer um pode usar, copiar e modificar). – Quem aprende é o sujeito que pensa.

Passivo, ele não aprende – afirma a coordenadora do projeto, a professora Léa Fagundes, do Laboratório de Estudos Cognitivos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O menino Roger Abreu de Oliveira, 12 anos, é um dos estudantes empolgados com a nova metodologia.

Na 4ª série, ele está pesquisando sobre cavalos, assunto que selecionou, e trazendo para a escola a paixão pela música. O guri até já montou uma base em ritmo de pagode, sobre a qual coloca os mais diferentes sons: – Isso é novo para toda a sala. Vitória Barboza Alves, nove anos, é colega de Roger na turma 41 mas pesquisou sobre um tema totalmente diferente: o sistema solar. A menina achava que o sol era sólido e imóvel.

Hoje, tem na ponta da língua o que aprendeu: – Ele é feito de gases e dá uma volta completa ao redor de si mesmo em 27 dias. Até maio, devem chegar outras 300 unidades do equipamento, que tem, na verdade, US$ 140 de custo de produção. Os laptops foram desenvolvidos pela organização não-governamental OLPC (sigla, em inglês, de Um Laptop por Criança), criado por Nicholas Negroponte, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA).

Mais informações em: http://www.clicrbs.com.brgerman englishwobs.uaмашини на радіоуправлінні