by /0 comments

MEC estuda mudar sistema de avaliação da educação básica

Especialistas cobraram um exame para a educação infantil e a inclusão de ciências nos exames

O Ministério da Educação autorizou a criação de um grupo de trabalho para discutir mudanças no sistema de avaliação educacional. Segundo o jornal Valor Econômico, os trabalhos devem começar dentro de dez dias, reunindo acadêmicos e técnicos de todas as esferas de governo.

O modelo de avaliação em larga escala foi debatido em um seminário em Brasília, na semana passada. Atualmente, a educação básica tem duas avaliações principais: o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a Prova Brasil, que compõe o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O recem criado plano de Albatetização na Idade Certa do MEC prevê a criação de um exame para medir o nível de alfabetização alcançado pelos alunos concluintes do 3º ano. Será uma avaliação externa universal.

O repórter Luciano Máximo escreve que especialistas cobraram um exame para a educação infantil e a inclusão de ciências nos exames, uma vez que apenas português, leitura e matemática fazem parte das provas. Eles também criticaram o aproveitamento de dados do Censo Escolar e a sobreposição de provas nos níveis municipal, estadual e federal.

O assessor especial do MEC, Antonio Carlos Ronca, destacou que a maior dificuldade em mudar o atual regime é conseguir consenso federativo. “Vivemos uma situação em que cada Estado, cada município, está criando sistemas próprios (de avaliação). Nosso desafio é dar o aspecto de totalidade a esses sistemas”, disse.

O membro do Conselho Nacional de Educação (CNE), José Francisco Soares, sugeriu simplificar o sistema de provas. “As crianças de Belo Horizonte fazem três provas por ano, da prefeitura, do Estado e a Prova Brasil, do governo federal. Isso é realmente necessário se não soubermos usar e explicar os resultados obtidos nessas provas?”, disse.

O presidente da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave), Ruben Klein, apresentou uma série de propostas, entre elas a construção de dois índices a partir do Censo Escolar: socioeconômico por aluno e infraestrutura de escolas.

O diretor de Avaliação da Educação Básica do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inesp), Alexandre André dos Santos, descartou a criação de um exame para avaliar o ensino infantil. “O que pensamos dentro do MEC é uma proposta de avaliação institucional da educação infantil. Vamos procurar tirar elementos do Censo Escolar para agregar indicadores que contribuam para um melhor ensino: metragem adequada de uma creche ou pré-escola, a relação professor aluno, o espaço lúdico adequado, condições de higiene e saúde”, disse ele ao repórter do jornal, que viajou a Brasília a convite do Inep.

сколько стоит чистка зубов у стоматологамихаил безлепкин интервьюигрушки фишер прайс