by /0 comments

Municípios ampliam investimento em educação; desigualdade continua

Um aluno de uma escola pública do Sudeste recebe o dobro de investimento municipal do que um estudante do Nordeste
Os investimentos dos municipais com educação somaram R$ 80,92 bilhões em 2010, um crescimento de 10,7%, na comparação com o ano anterior, segundo dados da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), divulgados pela Agência Brasil. Os números incluem repasses da União e dos Estados.

Em 2009, com a crise econômica, os investimentos na área cresceram apenas 2,8% em relação a 2008.

O gasto médio anual por aluno em 2010 chegou a R$ 3.411,31, contra R$ 3.005,27 no ano anterior, um crescimento de 13,5%.

Apesar do investimento maior, as desigualdades regionais continuam. Um aluno de uma escola pública do Sudeste recebe o dobro de investimento municipal do que um estudante do Nordeste: R$ 4.722,46 contra R$ 2.309,60. No Norte, o gasto por aluno é R$ 2.381,75 anuais, no Centro-Oeste R$ 3.622,28 e no Sul R$ 4.185,25.

A prefeita de Betim (MG) e vice-presidente para Assuntos de Educação da FNP, Maria do Carmo Lara, disse à repórter Amanda Cieglinski que as diferenças salariais dos professores têm grande impacto na desigualdade regional.

“Também tem a questão do investimento em educação de tempo integral. No Sudeste, tem muito mais escolas que já oferecem essa modalidade e o impacto nos investimentos é grande”, disse.

A FNP cobra uma participação maior da União nos gastos com educação, especialmente nos Estados que têm menor arrecadação.

A maior parte dos municípios (42,3%) gasta em média de R$ 3 mil a R$ 5 mil por aluno ao ano. Cerca de 28% investem de R$ 2 mil a R$ 3 mil, 17,6% de R$ 5 mil a R$ 10 mil e 1,4% gastam mais de R$ 10 mil. Uma em cada dez prefeituras investe menos do que R$ 2 mil por aluno anualmente.

A prefeita de Betim avalia que os gastos em educação cresceram também porque as prefeituras estão mais interessadas em investir na área e “vários” municípios já aplicam mais do que os 25% da arrecadação obrigatórios pela Constituição.

“Hoje, você tem as avaliações e o Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica], que ajudam as escolas e os municípios a estarem mais bem colocados em relação a outros. Isso faz com que os municípios se organizem para melhorar a rede. O investimento em formação de professores aumentou muito”, afirmou Maria do Carmo à agência de notícias do governo federal.

O levantamento mostra que houve crescimento das despesas com educação em todas as regiões. O Norte e o Nordeste registraram crescimento acima da média nacional em 2010: 15,3% e 11,8%. No Sul, o aumento foi 8%, no Centro-Oeste, 9,6% e no Sudeste, 10,4%.

Os municípios da Região Sudeste respondem por um terço das matrículas municipais e por 46,7% do total de recursos aplicados pelas prefeituras em educação. O Nordeste responde por 26,1% dos investimentos, o Sul por 13,5%, o Norte por 7,9% e o Centro-Oeste por 5,8%реклама транспортной компанииконсульство австрииуправления насосом