by

Professor: Quem disse que aula de Física é chata?

Fazer da Física uma disciplina interessante, criativa e que motiva seus alunos a desenvolverem cálculos mais complexos  é  a meta do professor de ensino médio, Robson César Cardoso, com os alunos do 1º série  do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo.

Para trabalhar os conceitos da óptica geométrica, o professor utilizou-se do recurso da câmara escura. Os alunos, em grupos, utilizaram suas câmaras para obterem as medidas de um objeto distante. “Como não tinham os dados de distância e tamanho do objeto, tiveram de variar as dimensões das imagens e trabalhar com sistema de equações, partindo de duas ou mais observações feitas de pontos diferentes”, conta o professor.

O envolvimento dos alunos foi intenso, e Cardoso se deu conta de que precisa sempre inovar nas ferramentas e encontrar novas formas de abordagens para deixar a introdução dos temas mais agradáveis. “Claro que muitas vezes a física vai ficar complexa e exigir esforço, mas estratégias lúdicas ajudam a diminuir o peso de uma aula difícil”, conta o professor.

O projeto do professor Robson Cardoso será um dos 1112 trabalhos  que serão apresentados no próximo dia 26 de maio no 10º Congresso  ICLOC de Práticas na Sala de Aula que ocorrerá em São Paulo no próximo dia 26 de maio, no Colégio Presbiteriano Mackenzie e reunirá professores da rede pública e privada.

O ICLOC  é um evento voltado para o professor, onde ele pode partilhar a sua prática e também se aproximar de outras práticas letivas que serão apresentadas pelos demais  colegas durante o Congresso. Para a educadora Sylvia Gouveia, criadora do ICLOC e membro do Conselho Estadual de Educação, o Congresso possibilita   ao educador  dar conta da sua formação continuada, buscando informações sobre práticas inovadoras  sem qualquer custo e dependência de  investimento externo.

Para o CEO do Instituto Singularidades, Miguel Thompson, o professor que não inovar em estratégias e ferramentas no desenvolvimento de suas aulas, será rapidamente substituído pela inteligência artificial.  “O professor tem de continuar  dominando todo o conhecimento da sua área, só que esses conteúdos têm de ser trabalhados de uma maneira mais criativa”, diz Thompson.

Organizado pelo Instituto Cultural Lourenço Castanho, em conjunto com outras 28 instituições de ensino, o evento será gratuito e não é necessário ser professor para participar, qualquer pessoa interessada em educação pode assistir as apresentações. Os interessados em assistir as apresentações podem fazer sua  inscrição acessando o link http://bit.ly/icloc-inscricao