secretários consed
  by

Secretários de Educação pedem tempo para avaliar Base Curricular do Ensino Médio

Secretários de Educação de diversos estados pediram ao Ministério da Educação (MEC) mais tempo para tentar consolidar uma posição única em relação à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio. Reunidos na capital cearense na segunda-feira, dia 12, eles alegam que não tiveram tempo para conversar com os técnicos dos estados que participaram de reuniões sobre a BNCC. O MEC diz que vai encaminhar até o final de março a Base do Ensino Médio para o Conselho Nacional de Educação.

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Idilvan Alencar, secretário do Ceará, disse que a base falhará se não ouvir os professores. “Temos que ter responsabilidade. Se a discussão não for bem feita, não respeitar as etapas, quem implanta a base é professor na sala de aula. Eu não aposto em nenhum projeto se os professores não tiverem adesão.”

O secretário do Distrito Federal, Julio Gregório Filho, disse à Agência Brasil que não está “com uma visão completa da base para que se possa chancelar o que está apresentado”. Ele cobrou do colegas uma “reflexão” para “tomar uma decisão com bastante pé no chão, porque as consequências podem ser não esperadas”.

Segundo a agência de notícias do governo federal, o Conselho Nacional de Educação lançará  uma plataforma de consulta pública para colher sugestões para o documento. A expectativa é que esse currículo esteja pronto para ser aplicado no ano que vem.

O secretário de Educação Básica do MEC, Rossieli Soares, disse que o posicionamento do Consed está de acordo com as expectativas do ministério. Segundo Rossieli, é importante que seja única a opinião do conselho sobre a BNCC.

O presidente do Consed orientou os secretários a não implantarem a reforma do ensino médio antes da aprovação da BNCC. “A reforma não pode ser implementada antes da base. Tem algumas questões na base que são definidoras, são macro, e a reforma são os itinerários em função da base”, afirmou.

Para Idilvan Alencar, só pode haver reforma do ensino médio se o professor e o aluno opinarem. “Aqui no Ceará, vai ser dessa forma, e eu recomendo a todos os estados. Acho que a gente não pode estar implantando reforma do ensino médio sem discussão com professor. Pode dar problema”, afirmou.

Ele explicou que a grande mudança da BNCC do ensino médio é que ela vai ser estruturada por área de conhecimento, e não mais por disciplinas como foi feito no ensino fundamental. “Temos que saber como vai ser essa transição sem assustar as pessoas, porque o conteúdo das disciplinas vai constar dos componentes curriculares. Cada estado que vai ter como objetivo construir o currículo vai colocar a disciplina nos seus currículos”, disse.

Leia também:

MEC promete R$ 100 milhões para Base Curricular chegar na escola

Conselho Nacional de Educação aprova Base Curricular

Veja o site do Consed

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone