Pandemia desafia professores e traz alívio a quadro geral de depressão e burnout

Pesquisa mostra que saúde mental dos docentes melhorou em período sem aulas presenciais

Seis em cada dez professores se sentiram sem condições de ministrar aulas remotas em casa e com dificuldades de adaptação, além de enfrentar o drama de infecção e mortes por coronavírus que todos os brasileiros vivem desde o ano passado.

Mas a interrupção de aulas presenciais reforçou o preocupante diagnóstico de saúde mental enfrentado pelos docentes na forma de um certo alívio para eles: o período abrandou os altos índices de depressão e síndrome de burnout identificados entre os professores brasileiros.

É como se o trabalho nas escolas brasileiras fosse mais danoso para a saúde mental desses profissionais do que a instabilidade provocada por uma pandemia.1 7

Pais testam filhos contra Covid, mas ainda estão inseguros quanto volta às aulas

Prefeitura de São Paulo inicia testagem em massa na rede municipal de ensino para definir volta às aulas. Profissionais da saúde coletam material em professores e alunos da Emef Professor Maximo de Moura Santos, na Vila Pauliceia, no Jaçana, zona norte. A aluna Alice Ribeiro da Silva fez a coleta de sangue

Esse cenário está em uma pesquisa sobre saúde mental e bem estar dos professores, coordenada pelo pesquisador Flavio Comim, docente na Universidade Ramon Llull (Barcelona) e de Cambridge (Reino Unido).

Encomendado pelo Instituto Tim, o estudo conseguiu mensurar dois momentos: antes da pandemia, no início de 2020, e ao fim do ano passado, com as escolas fechadas por boa parte do ano letivo.

Os dados, coletados com 769 professores de escolas públicas e privadas de 22 estados, apresentam um nível de confiança de 95%. A margem de erro fica entre 3% e 4% na amostra antes da pandemia e vai de 5% a 6% na coleta do fim do ano (com 283 pessoas, mas o mesmo nível de confiança).PUBLICIDADE

A pesquisa lançou mão de cinco instrumentos de análise validados internacionalmente. O objetivo foi entender e relacionar níveis de depressão, burnout, bem-estar, satisfação no trabalho e autoeficácia.

O estudo mostra que a depressão atinge 16,6% das professoras e professores (antes da pandemia). Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que 5,8% dos brasileiros sofrem com a doença.

Em uma das partes do questionário sobre depressão, 14% dos professores afirmam ter pensado que era melhor estar morto em vários dias, metade do tempo ou em quase todos os dias. Número alto e preocupante, segundo Comim. Reportagem Folha de S. Paulo 31/01/2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *