Câmeras dimensionam o fluxo nos restaurantes universitários

Como parte do Smart Campus, foram instaladas câmeras nos restaurantes universitários da Unicamp. O objetivo é proporcionar aos usuários o conhecimento sobre o fluxo de pessoas. Neste período da pandemia, em que somente o Restaurante Universitário está em funcionamento, as imagens contribuem para evitar as aglomerações nas retiradas das refeições.

Quatro câmeras estão instaladas nos restaurantes, conforme explica Rafael Pereira de Sousa, que integra a equipe de informática da Prefeitura Universitária, da qual faz parte o projeto, no âmbito da célula de trabalho Smart Campus. “As câmeras ficam ligadas 24 horas, coletam informações de fluxo de pessoas, tamanho da fila de cada restaurante. A imagem é capturada, passa por um processamento e nele é detectado quantas pessoas estão no momento e é feita a contagem”, explica.

O Smart Campus teve início em 2016, com o objetivo de utilizar o conceito de Internet das Coisas para tornar o cotidiano no campus mais produtivo. A localização em tempo real dos ônibus circulares internos e dos ônibus que fazem transporte na moradia e a contagem de veículos em estacionamentos são outras frentes consolidadas no âmbito do projeto.  

As imagens dos restaurantes, em tempo real, podem ser acompanhadas no site da Prefeitura, na página do cardápio dos restaurantes (acesse aqui). Clicando na imagem é possível ver quantas pessoas foram detectadas. O algoritmo responsável por isso utiliza a inteligência artificial, no ramo do aprendizado de máquinas, e foi criado pelo estudante de Engenharia Mecânica Tibério Ferreira. O projeto das câmeras foi desenvolvido em conjunto com a professora Juliana Borin, do Instituto de Computação, e pela empresa Konker. As imagens poderão ser utilizadas para estudos posteriores. 

audiodescrição: imagem colorida da fila no restaurante universitário
Imagens em tempo real e contagem de pessoas podem ser acessadas na página do cardápio dos restaurantes

Para o prefeito da Cidade Universitária, Juliano Finelli, o projeto poderá evitar, em tempos de atividades presenciais, que os usuários permaneçam na fila desnecessariamente. Já para a gestão, “permite também verificar os picos de movimento, os dias de maior volume de pessoas, fazer o cruzamento dos dados com os cardápios, entre outros. Em tempos de pandemia, facilita para que o usuário do restaurante verifique se há alguma aglomeração antes de se dirigir ao local”.

Desafios e propostas para a prefeitura
O prefeito do campus, Juliano Finelli, tomou posse junto à reitoria eleita em 2021. Primeiro servidor técnico-administrativo a estar à frente da prefeitura, ele apresenta os principais desafios e propostas para a sua gestão.

O primeiro ponto refere-se à própria concepção de gestão, envolvendo valorização profissional da equipe de trabalho; o segundo diz respeito à alimentação, com investimentos infraestruturais nas cantinas; o terceiro envolve a vivência, ajudando as unidades e órgãos na realização de eventos, com vistas a que os campi sejam mais interativos e produtivos; o quarto aponta para a sustentabilidade, envolvendo a gestão de resíduos, energias alternativas e aferição e controle do uso de água. 

No aspecto da sustentabilidade, aponta o prefeito, ainda há uma proposta voltada à cobertura vegetal dos campi, visando a melhoria ambiental e a saúde da comunidade universitária. “Estamos assumindo como desafio e proposta prioritária a implantação de um projeto de arborização planejada, visando à expansão das áreas verdes dos campi. Contudo, temos consciência de que há muito ainda por melhorar com novas ideias e soluções inovadoras. Este tema terá centralidade na nossa gestão, e a Prefeitura será altamente receptiva às iniciativas que visem à sustentabilidade da universidade e dos territórios onde estamos inseridos”.

Além disso, em relação à mobilidade e acessibilidade, Juliano frisa que há um olhar para o fato de que os campi são afetados pela grande circulação de veículos individuais. “Respondendo a uma tendência internacional quanto ao incentivo ao uso de veículos não produtores de gases de efeito estufa, estamos estudando como incentivar o uso mais intensivo de bicicletas no campus, integrado ao sistemas de ciclovias do Distrito de Barão Geraldo e das cidades de Limeira e Piracicaba”, aponta.   

Originalmente publicado em...