Unicamp realiza mais testagem na população

A Frente de Ações Sociais e a Frente de Diagnósticos da Força-Tarefa contra a Covid-19 da Unicamp promoveram, esta semana, mais duas campanhas de testagem gratuita para a população com o objetivo de identificar casos positivos da doença. Na quarta-feira (9/6), a equipe realizou 150 testes do tipo RT-PCR e outros 100 testes rápidos de sangue na sede do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, em São Paulo. Na quinta-feira (10/6), pela manhã, o grupo esteve na Comunidade Vale do Sol, região do San Martin, em Campinas e outros 120 testes RT-PCR foram feitos naquela população.

Em São Paulo, a testagem identificou 13 casos positivos para Covid-19. Todos os infectados foram avisados e receberam as orientações para os devidos cuidados
Em São Paulo, a testagem identificou 13 casos positivos para Covid-19. Todos os infectados foram avisados e receberam as orientações para os devidos cuidados

Os resultados dos testes PCR são divulgados em um período de 24 horas. Já os testes rápidos de sangue conseguem detectar com mais rapidez um diagnóstico. Em São Paulo, por exemplo, identificou-se 13 casos positivos para Covid-19. Todos os infectados foram avisados e receberam as orientações para os devidos cuidados. Por isso, as ações contribuem para impedir novas transmissões do vírus, principalmente em casos em que a doença não apresenta sintomas. Segundo o enfermeiro Adilton Dorival Leite, da Diretoria Executiva da Área da Saúde (DEAS), desde o início da pandemia a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a testagem em massa da população como forma de enfrentar a disseminação do novo coronavírus.

Ele ressalta que a realização em larga escala de exames, combinada com o isolamento social, é o caminho ideal para proteger a população da pandemia, uma vez que é possível identificar e isolar os infectados. “Esse é o método mais eficiente, e está sendo usado por diversos países que conseguiram ‘achatar’ a curva”, argumenta. Neste sentido, a Frente de Ações Sociais, coordenada pelo professor Sávio Cavalcante organiza diversas parcerias para promover a testagem na população e, assim, contribuir para “achatar” a curva de disseminação do vírus.

Ações são possíveis graças à organização da comunidade local que se mostra dedicada a melhorar o controle da doença e ampliar a informação
Ações são possíveis graças à organização da comunidade local que se mostra dedicada a melhorar o controle da doença e ampliar a informação

O professor explica que as ações, em especial, as realizadas na Comunidade Vale do Sol, só foram possíveis graças à organização da comunidade local que se mostra dedicada a melhorar o controle da doença e ampliar a informação. “Este apoio é fundamental para que dê certo as ações de testagem”, declara Cavalcante. Ele destaca ainda a atuação do padre Antonio Alves, da Paróquia do Jardim São Marcos, como principal interlocutor para viabilizar os trabalhos de testagem e também a organização Frente pela Vida em Defesa do SUS Campinas. Estes movimentos são importantes, em sua opinião, para a conscientização da população, além de promover um engajamento até mesmo no plano de vacinação.

Outra questão abordada por Adilton Leite é a importância de se testar pessoas provenientes de regiões com menor acesso a laboratório de diagnósticos e aquelas em situação de vulnerabilidade social. “Para além dos benefícios sanitários, é uma maneira de contribuir com uma ação concreta, produzindo diagnósticos e gerando informação sobre a situação local”, argumenta o enfermeiro que acredita ser extremamente gratificante retribuir à sociedade o investimento que é feito nas universidades públicas.

Leia mais:

Força-Tarefa da Unicamp faz testes para  Covid-19 em mulheres trans e travestis

Unicamp auxilia indígenas no litoral de São Paulo no combate ao coronavírus

Originalmente publicado em...