Dia do Professor: Docentes da rede estadual relatam experiências vividas durante a pandemia

O Dia do Professor (15 de outubro) é uma data para celebrar a profissão que serve de base para todas as outras da nossa sociedade.  A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo possui mais de 200 mil docentes, sendo que mais de 160 atuam diretamente nas salas de aulas. A grande maioria (71%) são mulheres, contra os 29% de homens. A média de idade varia apenas em 1 ano, sendo 45 para as mulheres e 44 para os homens. Já os profissionais de ambos os sexos há mais tempo na rede atuam desde 1977 (44 anos) e os dois possuem 73 anos de idade.

“Os nossos professores se mostraram verdadeiros profissionais comprometidos com a profissão neste período tão difícil. Eu recebi diversas mensagens de educadores que não viam a hora de voltar para a sala de aula. São Paulo foi o primeiro estado a realmente colocar os profissionais da Educação como prioridade para a vacinação contra Covid e o resultado é que hoje temos 97% dos nossos servidores com o calendário vacinal completo”, afirma o Secretário Estadual da Educação Rossieli Soraes.

Independente do perfil, todos os professores da rede estadual, mesmo durante a pandemia, se esforçaram ao máximo para que seus estudantes continuassem aprendendo. Confira abaixo três histórias de emoção e criatividade:

Superação pessoal e profissional
Para a professora Edmea Oliveira, da Escola Estadual Dom Agnelo Cardeal Rossi, o período da pandemia se encontrou com outro desafio em sua vida. Diagnosticada com câncer de mama, em 2018, já no ano seguinte, 2019 a docente passou por uma cirurgia.

Em 2020 no final de seu tratamento ela continuou lecionando remotamente e montou em sua casa uma pequena sala de aula. Agora em 2021 após este longo período sem contato com os alunos ela voltou a escola.

“Nesse Dia dos Professores quero dar parabéns a todos os professores que diariamente trabalham com dedicação, amor e carinho. Que continuem sempre com essa dedicação. Nossas crianças precisam muito de nós, a nossa profissão faz toda diferença na vida deles, eles se inspiram em nós. Precisamos incentivá-los a estudar, precisamos com muito amor e dedicação superar todas as dificuldades que venham aparecer em nosso dia a dia”, diz Edmea.

Alfabetização
Antes cotidiana nas aulas do 1º ano do ensino fundamental, a alfabetização passou a ser uma das maiores dificuldades educacionais da pandemia. Para não deixar nenhum aluno para traz, a professora Cláudia Ferreira da Escola Estadual Brasílio Machado, na capital (DE Centro Oeste), ainda no começo da quarentena imprimiu diversas atividades e as entregou para os pais. A educadora também criou uma sala de aula em sua garagem e gravou alguns vídeos para explicar a matéria.

“Na minha sala havia 27 alunos. Fiquei desesperada, pois ficamos no presencial apenas uns trinta dias. Então, fiquei uns dias com insônia, pensando no que faria” relata Cláudia.

O resultado de todo o empenho foi mais de 90% de sua classe totalmente alfabetizada, mesmo no ensino remoto. “Em maio mais ou menos comecei a receber relatos dos pais que os filhos estavam lendo. Eu nem acreditei, fiquei muito emocionada. Percebi que realmente estava dando certo”, completa.

Ainda outra surpresa, o pai de um aluno estrangeiro, que não falava português, também foi aprendendo o nosso idioma com os vídeos que a professora mandava. “Tinha um pai, que ao acompanhar com o filho, aprendeu algumas coisas de língua portuguesa junto com o filho”, relembra.

Claudia ainda exalta a ajuda que teve de suas colegas de profissão. “A coordenadora Fátima foi fundamental neste ano, pois, além de nos ajudar, nos escutava, aconselhava, orientava e ouvia nossas reclamações e inseguranças. Recebi ajuda também da professora Elaine, sempre ajudando a entender as plataformas que os alunos precisavam acessar, e a professora Heune, foi fundamental com sua ajuda no reforço”, finaliza.

Chuvisco, Zicão e Alfredo
Três personagens vividos pelo professor Dimas Luiz da Silva se tornaram parte da comunidade escolar da Escola Estadual Professora Miquelina Cartolano, na pequena cidade de Lorena.

Chuvisco e Zicão são irmãos que passaram a fazer parte das aulas mediadas por tecnologia e até mesmo de palestras de conscientização, como prevenção ao câncer de próstata.  Já Alfredo é o pai dos dois, muito participativo nas reuniões, ele ajuda os demais responsáveis a entender o dia a dia da unidade e as matérias que não existiam em sua época, como Projeto de Vida (PV) e Eletivas.

O sucesso da metodologia adotada por Dimas é tanto que até outros professores entraram na brincadeira pedagógica. Você pode conferir mais aqui: https://bityli.com/OaJsda. “Acredito que estamos em um momento de grandes transformações, com certeza. E também de aprendizados e desenvolvimento profissional e também pessoal”, avalia Dimas.

Originalmente publicado em...