Batendo na tecla mais uma vez…

A educação já entendeu a potência dos bons filmes da Tamanduá Edu
https://tamandua.tv.br/escolas/filmes/

Bater na tecla. É assim que me sinto quando escrevo pela décima vez  sobre a plataforma de filmes streaming Tamanduá Edu e a potência do seu acervo para a educação brasileira. E vou continuar batendo nessa tecla até que as pessoas ligadas à educação entrem na plataforma e sintam-se impactadas pela qualidade educativa do seu acervo.

A Tamanduá Edu é uma plataforma que o Grupo Curta criou para estar a serviço das escolas, dos professores, dos alunos e suas famílias. Não é mais uma startup de educação, destas que surgem no mercado e tentam ganhar espaço no movimento da nova educação híbrida. Seus diretores, Julio Worckman e Ana Gabriela Lopes, trabalham a favor da educação desde 2006, com o projeto do Curta na Escola, um grande acervo de filmes para uso pedagógico.

Hoje a plataforma oferece mais de 6 mil títulos, classificados por série e pela BNCC, e possibilita ao professor a criação de planos de aula personalizados.

Na escola Carandá Educação, o professor de filosofia do ensino médio Vinicius Castro ensina seus alunos que os filmes clássicos são sempre atuais.  “A partir de filmes, levo os alunos a descobrirem as novidades nos velhos problemas”, diz o professor.

Eliane Yambanis é professora de História no Colégio Equipe e foi convidada pela Tamanduá Edu para fazer a curadoria da série “História política”. “Fiquei muito impactada com a qualidade dos filmes da Tamanduá. Os documentários disponíveis são excelentes ferramentas para o professor trabalhar em sala de aula, mesmo de forma remota, porque os filmes contextualizam os acontecimentos e ampliam o entendimento sobre os fatos”, diz.

O Instituto Singularidades se tornou parceiro da  Tamanduá.Edu com a exibição do Ciclo Cine Debate. Educadores das faculdades de Pedagogia e Letras escolhem os temas e os filmes que querem debater online, para que professores de todo Brasil possam assistir e interagir sobre   as possibilidades de uso em sala de aula.

A professora de Ética e Diversidade Denise Rampazzo assistiu e debateu sobre o documentário Libertem Angela Davis que  retrata a vida da jovem professora universitária norte-americana que lutou na defesa dos direitos humanos e tornou-se a mulher mais caçada pelo FBI.  “O filme mostra outras diversas situações que ainda acontecem na sociedade brasileira e temos obrigação enquanto professores, de potencializar essas histórias e dar visibilidade ao tema para formarmos pessoas cidadãs”, diz.

A professora de literatura do curso de Letras, Dayse Ramos, conta que usou documentários novos para trabalhar o velho problemas dl racismo. “Quando assisti aos filmes da Tamanduá Edu, fiquei pensando em minha atuação como professora. Escolhi o documentário “Djamila Ribeiro”, que é escritora e mestre em filosofia política pela Unifesp , e explica o que é racismo estrutural, o conceito de lugar de fala, o feminismo negro e o assassinato de George Floyd”, afirma.

A Tamanduá Edu está fechando agora uma parceria com o Sieeesp – Sindicato das Escolas Particulares de São Paulo – a fim de promover junto às escolas associadas títulos de filmes que reforcem os cursos que o sindicato promove para formação de professores. ” Estou bem esperançosa com a nova parceria, por que vai agregar muito valor ao que oferecemos aos associados”, diz Maria Regina de Stéfano, coordenadora do departamento de cursos do Sieeesp.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.